15.6 C
São Paulo
domingo - 26 maio 2024 - 17:55

‘O que não precisamos é de polêmica’, diz Marcelo Queiroga no Senado

As declarações foram feitas à Comissão Temporária da Covid-19 no Senado. A ida do representante da Saúde acontece um dia antes do início dos trabalhos da CPI da Covid.

Ao falar, porém, o ministro voltou a atacar os governadores e prefeitos e afirmou que o ministério publicará uma nota técnica sobre o atraso na vacinação da segunda dose da CoronaVac.

“A aplicação da segunda dose tem sido impedida por governadores e prefeitos e agora, em face do retardo de insumo vindo da China ao Instituto Butantan, há uma dificuldade na aplicação desta dose”, disse.

A comissão sabatina o ministro sobre o PNI (Plano Nacional de Imunização), que tem sofrido com as constantes mudanças nos prazos de vacinação contra o novo coronavírus estipulados pela própria pasta.

Após ser questionado pelos senadores sobre as constantes mudanças nos prazos de entrega dos imunizantes contra a Covid-19, Marcelo Queiroga afirmou que “em nenhum momento” o ministério reduziu as metas de vacinação.

“O que nós fizemos foi retirar o calendário anteriormente colocado daquelas vacinas que estavam sem aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)”, explicou.

Pouco antes, Queiroga chegou a defender a campanha de vacinação “promovida pelo governo federal” e declarou que “não gostaria” de ver o Brasil “perder tantas vidas”.

Com relação à disponibilidade de vacinas à população, o ministro reclamou da imprensa e defendeu uma melhor comunicação entre os estados e municípios com a União. Segundo ele, sendo o Brasil um país “continental”, há uma dificuldade logística na entrega dos imunizantes e que “não há que se comparar o Brasil com Israel e nem com o Chile”.

“O Brasil é o quinto país que mais distribui doses de vacinas e ficam as pessoas aí na mídia criticando o tempo inteiro a campanha nacional de imunização, passando uma mensagem desencontrada para a sociedade brasileira”, afirmou.

Oxigênio e kit intubação

O ministro também se defendeu das críticas que sofreu quando o ministério divulgou uma nota técnica sobre a racionalização do uso do oxigênio hospitalar. Queiroga criticou a divulgação “incorreta” do documento.

Sobre a remessa de medicamentos do chamado kit intubação, Marcelo Queiroga disse que já abriu um pregão “nacional e internacional” para a aquisição dos remédios.

“Em um curto prazo nós vamos anunciar também uma remessa desses insumos vindos dos Estados Unidos”, garantiu.

Sobre o relacionamento do Brasil com as organizações internacionais e, em especial, a OMS (Organização Mundial da Saúde), o governista garantiu que a relação é a “melhor possível”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhar Artigo

BRL - Moeda brasileira
USD
5,0724
CNY
0,7009
spot_img

Popular

Artigos Relacionados
RELACIONADOS

Lula, Putin e Xi Jinping: mundo reage à morte do presidente do Irã

Líderes de todo o mundo vem manifestando condolências e...

Corte Internacional de Justiça da ONU ordena Israel a parar invasão em Rafah

A Corte Internacional de Justiça (CIJ) analisou o pedido...

Dilma desmente que recursos do banco dos Brics ao RS teriam sido aprovados no governo Bolsonaro

A ex-presidenta Dilma Rousseff, que atualmente comanda o Novo Banco de...

China lança pacote de medidas para impulsionar o mercado imobiliário

Nesta sexta-feira (17), a China anunciou uma série de...
Aceitar Notificação OK Não, Obrigado