19.2 C
São Paulo
domingo - 16 junho 2024 - 00:30

Chefe da OMS critica falta de acesso a dados da China sobre origem da Covid-19 e não descarta nenhuma hipótese

Os pesquisadores que estiveram na visita de campo a Wuhan, na China, entre o final de janeiro e o início de fevereiro, ainda não descartaram, porém, nenhuma hipótese, e o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu mais estudos, criticando a falta de acesso a dados brutos do governo chinês sobre os primeiros casos da Covid-19 registrados na cidade, no final de 2019.

De acordo com a missão de especialistas, que passou 27 dias em Wuhan, a hipótese mais provável é que a de que o vírus tenha sido transmitido de morcegos para um animal intermediário e deste para o homem. A hipótese de que o patógeno teria escapado do Instituto de Virologia de Wuhan, um laboratório de segurança máxima, foi considerada “extremamente improvável”, mas ainda assim Tedros pediu uma nova investigação sobre ela. A suposição foi promovida sem embasamento concreto pelo então presidente americano Donald Trump.

No que diz respeito à OMS, todas as hipóteses permanecem em jogo. Este relatório é um começo muito importante, mas não é o fim. Ainda não encontramos a fonte do vírus e devemos continuar seguindo a ciência e não deixar pedra sobre pedra — disse Tedros, lembrando que encontrar a origem de um vírus leva tempo. — Devemos isso ao mundo para que possamos tomar medidas coletivas para reduzir o risco de que aconteça novamente. Espero que novos estudos colaborativos estejam baseados em compartilhar os dados de uma forma mais ampla e rápida.

O diretor-geral da OMS disse estar disposto a implementar novas missões de especialistas. O relatório da equipe internacional — que conta com cientistas de Austrália, China, Dinamarca, Alemanha, Japão, Quênia, Holanda, Qatar, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos e Vietnã — foi publicado quando a pandemia já matou quase 2,8 milhões de pessoas e infectou mais de 127 milhões em todo o mundo.

Em minhas conversas com a equipe, eles expressaram as dificuldades que encontraram para acessar dados brutos — disse Tedros.

Em fevereiro, um dos integrantes da equipe da OMS, o australiano Dominic Dwyer, disse que os foram solicitados os dados brutos dos 174 casos da doença que a China havia identificado na fase inicial do surto em Wuhan, mas lhes foi fornecido um relatório já com a análise feita por cientistas chineses.

Esses dados brutos são conhecidos como “listagens de linha”, explicou ele, e normalmente seriam anônimos, mas contêm detalhes como as perguntas feitas a pacientes individuais, suas respostas e como suas respostas foram analisadas.

O relatório da OMS sugere que a transmissão possivelmente começou antes de dezembro de 2019. O primeiro caso detectado teve início dos sintomas em 8 de dezembro. Mas, para entender os primeiros casos, os cientistas tiveram acesso a dados de pacientes com sintomas afins, incluindo amostras biológicas, a partir de setembro.

Segundo o relatório, não está claro se o mercado de frutos do mar de Huanan, em Wuhan, foi o marco zero do vírus ou apenas o lugar onde ele começou a circular em maior escala. O local, que vários pacientes frequentavam ou onde trabalhavam, vendia carnes exóticas e animais vivos. A equipe também citou a possibilidade de o vírus ter sido introduzido em humanos por meio da cadeia alimentar de alimentos frios.

A equipe da OMS visitou vários laboratórios em Wuhan e considerou a possibilidade de o vírus entrar na população humana como resultado de um incidente de laboratório. Embora os especialistas tenham concluído que um vazamento de laboratório é a hipótese menos provável, Tedros disse que ela também requer uma investigação mais aprofundada.

Não acredito que esta avaliação tenha sido extensa o suficiente. Mais dados e estudos serão necessários para chegar a conclusões mais robustas — afirmou o chefe da OMS.

A missão da OMS a Wuhan foi aprovada na assembleia geral da OMS no ano passado e negociada durante meses com os chineses. Após a divulgação do relatório, os Estados Unidos e 13 aliados, como Reino Unido, Canadá, Austrália, Japão e Coreia do Sul, expressaram preocupação com a falta de acesso aos dados. Em um comunicado conjunto, EUA e os aliados instaram a China a dar “acesso completo” aos especialistas.

A UE, por sua vez, considerou o estudo um “primeiro passo importante”, mas insistiu nas críticas de que a investigação começou tarde demais. Além disso, lembrou que os especialistas estiveram fora da China por muito tempo e de que o acesso aos dados e às primeiras amostras foram insuficientes. Em um comunicado, Walter Stevens, embaixador da UE nas Nações Unidas em Genebra, pediu mais estudos com “acesso oportuno aos locais relevantes e a todos os dados humanos, animais e ambientais disponíveis”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhar Artigo

BRL - Moeda brasileira
USD
5,2892
CNY
0,7302
spot_img

Popular

Artigos Relacionados
RELACIONADOS

Mauro Vieira fala sobre BRICS em crescimento apesar de ‘um mundo em desordem’

Mauro Vieira participou nesta segunda-feira (10) de um encontro...

Damascos Dourados Aquecem os Pomares de Verão

Recentemente, no pomar de damascos da Cooperativa Profissional de...

‘Esperamos fazer parte da Nova Rota da Seda’, diz vereador carioca Edson Santos

Na última terça (11), o vereador Edson Santos (PT-RJ)...

Aproximação entre Brasil e China pode gerar bons negócios para pequenas empresas

Em breve, um café diferenciado do Brasil, como o...
Aceitar Notificação OK Não, Obrigado