Início Capa Comentário: É o excesso de capacidade de preconceito do G7 que prejudica...

Comentário: É o excesso de capacidade de preconceito do G7 que prejudica o mundo

Ao se concentrar em políticas protecionistas e barreiras comerciais, o G7 corre o risco de minar a própria estabilidade econômica e o crescimento que professa proteger. Adotar uma abordagem mais cooperativa e inclusiva poderia gerar benefícios muito maiores para a economia global. Por Zeng Yan

Mulher passa pelo logotipo oficial do Grupo dos Sete (G7) no centro de mídia em Bari, região da Apúlia, Itália, em 12 de junho de 2024. (Xinhua/Li Jing)

Genebra, 17 jun (Xinhua) — As tecnologias verdes da China, de painéis solares a veículos elétricos, estão novamente na mira dos líderes do Grupo dos Sete (G7) reunidos para sua cúpula anual na Itália.

Em sua última declaração, o G7 alegou que as políticas industriais da China levam a “distorções do mercado global e excesso de capacidade prejudicial”. Essas alegações não são apenas infundadas, mas refletem a relutância do clube dos países ricos em reconhecer o legítimo progresso econômico e as contribuições da China para a prosperidade global.

O mundo não vê excesso de capacidade industrial por parte da China, mas “excesso de capacidade de preconceito” por parte do G7.

Comecemos com os veículos elétricos. Mais de 14 milhões de EVs foram vendidos em todo o mundo em 2023, com a China exportando 1,2 milhão, ou 8,5% das vendas globais. Essa proporção dificilmente justifica o excesso de capacidade, disse Tang Jin, pesquisador sênior do Banco Mizuho do Japão. A Agência Internacional de Energia previu que as vendas globais de veículos elétricos chegarão a 45 milhões em 2030. Esse número é três vezes maior que o do ano passado e cinco vezes maior que a capacidade de produção da China. A China, o maior exportador de automóveis, precisa até mesmo aumentar sua produção para atender a essa enorme demanda.

Em essência, a verdadeira questão para o G7 é menos sobre o excesso de capacidade das empresas chinesas e mais sobre sua alta eficiência. Em vez de reconhecer o princípio econômico fundamental da vantagem comparativa, que defende o comércio mútuo com base nos pontos fortes relativos, o G7 está optando por medidas protecionistas, como o aumento das tarifas. Essa medida não apenas contradiz a teoria econômica, mas também prejudica os benefícios do comércio para todos os envolvidos, não atendendo, em última análise, aos interesses de longo prazo de ninguém.

Falando sobre as preocupações com as importações de veículos elétricos da China que inundam os mercados ocidentais e acabam com os empregos, as empresas chinesas nunca despejam veículos elétricos nos mercados globais a um custo mais baixo. Os principais veículos elétricos chineses custam, em média, quase o dobro na Europa do que em seu país.

Se o mundo está ansioso para alcançar emissões líquidas zero para um clima habitável, o fornecimento global de painéis solares também precisa ser acelerado. A capacidade instalada cumulativa global de energia fotovoltaica precisa ultrapassar 5.400 GW até 2030 para atingir as metas climáticas do Acordo de Paris, de acordo com cálculos da Agência Internacional de Energia Renovável. Esse número é quatro vezes a capacidade instalada cumulativa global e nove vezes a capacidade cumulativa da China em 2023.

Os subsídios também não são estranhos ao Ocidente. A Lei de Redução da Inflação dos EUA forneceu cerca de US$ 369 bilhões em incentivos para programas relacionados à energia e ao clima, incluindo créditos fiscais, empréstimos para pesquisa e subsídios para aumentar a capacidade de turbinas eólicas, painéis solares, baterias, veículos elétricos e outros produtos ecológicos.

Foto de arquivo tirada em 3 de junho de 2024 mostra um cadeado em correntes tendo como pano de fundo o prédio da Comissão Europeia em Bruxelas, Bélgica. A Comissão Europeia emitiu uma declaração para pré-divulgar o nível de tarifas provisórias protecionistas que imporia às importações de veículos elétricos a bateria (EVs) da China. (Xinhua/Zhao Dingzhe)

Vários países europeus também ofereceram subsídios para o setor de veículos elétricos em geral, desde impostos corporativos até compras individuais. Como o Ocidente pode culpar as “políticas e práticas não mercadológicas” da China enquanto ignora suas próprias políticas e práticas semelhantes?

Ao contrário da narrativa do G7, a China tem sido um dos principais impulsionadores do crescimento econômico global. A demanda da China por bens e serviços internacionais estimulou economias em todo o mundo, criando empregos e aumentando a renda muito além de suas fronteiras.

Em vez de reconhecer e alavancar a interdependência econômica, o G7 liderado pelos EUA frequentemente retrata a China como uma ameaça e não como uma parceira. A visão míope desconsidera os benefícios mais amplos do comércio e da cooperação globais.

Ao se concentrar em políticas protecionistas e barreiras comerciais, o G7 corre o risco de minar a própria estabilidade econômica e o crescimento que professa proteger. Adotar uma abordagem mais cooperativa e inclusiva poderia gerar benefícios muito maiores para a economia global. 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Aceitar Notificação OK Não, Obrigado