27.8 C
São Paulo
sábado - 24 fevereiro 2024 - 13:10

China pode lançar um par de sondas rumo ao espaço interestelar em 2024

As informações vêm de Wu Weirein, um dos principais nomes no projeto de exploração lunar da China. Segundo ele, a ideia é que a missão chegue a 100 unidades astronômicas — como cada uma equivale à distância entre a Terra e o Sol, estamos falando de 150 milhões de quilômetros — da Terra em 2049, data que corresponde também aos 100 anos de fundação da República Popular da China.

Este não é um projeto recente, já que a ideia de lançar sondas para a região além da influência dos ventos solares foi publicada pela primeira vez em 2019. De acordo com informações apresentadas no European Planetary Science Congress daquele mesmo ano, o lançamento poderá ocorrer já em 2024, sendo que a primeira sonda iria sobrevoar Júpiter em 2029 antes de seguir para o “nariz” da heliosfera.

Já a outra iria passar pelo gigante gasoso somente em 2033, para realizar depois um sobrevoo por Netuno — e, ali, a espaçonave poderia aproveitar a oportunidade para liberar uma pequena sonda de impacto com destino ao planeta. De qualquer forma, as duas sondas serão alimentadas por geradores termoelétricos de radioisótopos (RTGs), e teriam pelo menos 50 kg de cargas úteis científicas. Por enquanto, os foguetes Long March 3B e Long March 5 são candidatos para o lançamento, mas a decisão final depende do sistema de propulsão mais adequado para a missão.

Outra missão proposta no evento apresentou uma espaçonave que seria lançada em 2030, para viajar para longe do Sol em uma trajetória perpendicular ao plano da eclíptica. Ela seria alimentada por um reator nuclear e poderia se deslocar a até 6 unidades astronômicas por ano, o que permitiria alcançar os objetos mais extremos do Cinturão de Kuiper. Além disso, essa missão teria a vantagem de exigir menor maturidade tecnológica.

De certa forma, o projeto da China retoma um pouco das missões Voyager, da NASA, que aproveitaram um alinhamento planetário raro para visitar os quatro planetas mais externos do Sistema Solar. Hoje, as Voyager 1 e 2 já estão a 22,7 e 18,9 bilhões de quilômetros de distância da Terra, respectivamente, ambas em espaço interestelar. Contudo, o foco das sondas chinesas será voltado para a heliosfera e o meio interestelar, além de estudos sobre fenômenos que ocorrem por lá. Essas espaçonaves também vão colocar em prática os avanços de propulsão e comunicação no espaço profundo, alcançados recentemente pela indústria espacial chinesa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhar Artigo

spot_img

Popular

Artigos Relacionados
RELACIONADOS

Participando da Feira às Margens do Rio Amarelo

Recentemente, a vila de Licun, no distrito de Mudan,...

China: Palestina tem direito de usar luta armada para resistir à opressão colonialista de Israel

Na mesma semana em que o presidente Lula elevou...

China e França devem trabalhar para tornar parceria mais sólida e dinâmica, diz Wang Yi

A China e a França devem trabalhar para tornar...

Os Pães Cozidos no Vapor Decorados com Elemento de Dragão Eram Populares

Recentemente, no Centro de Serviços de Cuidados para Idosos...
Aceitar Notificação OK Não, Obrigado